“hino” ao inominável – a 12 dias das eleições presidenciais no Brasil

“Hino ao Inominável” é uma canção-manifesto de mobilização e denúncia da candidatura do atual presidente “inominável”. Com letra de Carlos Rennó e música de Chico Brown e Pedro Luís, a canção é apresentada por 30 intérpretes, como os atores Wagner Moura e Bruno Gagliasso e os cantores Chico César, Zélia Duncan e Lenine. Continue a ler “hino” ao inominável – a 12 dias das eleições presidenciais no Brasil

Entrevista a Angela Davis – “Este momento reserva possibilidades de mudança que nunca experimentámos”

A revista Ipsilon do Público (19.06.2020) publicou um trabalho sobre Angela Davis, a ativista dos direitos dos negros e das mulheres, com uma entrevista em exclusivo conduzida por Isabel Lucas — “Acabar com o racismo é também acabar com os grandes problemas do mundo” — e, a propósito da edição em Portugal do seu recente livro “Liberdade é Uma Luta Constante” (Antígona), um texto sobre … Continue a ler Entrevista a Angela Davis – “Este momento reserva possibilidades de mudança que nunca experimentámos”

Que Europa é esta? Pontes, Solidariedades e Mediterrâneo – videoconferência no aniversário de Miguel Portas

“Sucede que a Europa é, toda ela, um gigantesco “imponderável”. Enquanto a austeridade se confinava à Grécia, a Portugal, à Irlanda e a alguns médios e minúsculos Estados a Leste, os responsáveis ainda podiam insinuar que os sacrifícios traziam consigo uma promessa de luz ao fundo do túnel. Mas quando a austeridade se instalou de armas e bagagens em Inglaterra, na Itália e em Espanha, … Continue a ler Que Europa é esta? Pontes, Solidariedades e Mediterrâneo – videoconferência no aniversário de Miguel Portas

O que aprender com a periferia? A luta contra o Covid-19 na Tunísia – por Thiago Grault

A resposta do governo da Tunísia foi enérgica. Ao mesmo tempo que a necessidade obrigou a ampliar a quarentena e ao fechamento das cidades, o governo tomou para si toda a logística relacionada aos alimentos e bens essenciais, controlando, desta maneira, a distribuição e a venda. As escolas, que estão fechadas atualmente, foram convertidas em depósitos sob controle conjunto de membros do exército, polícia, bombeiros, membros do judiciário, membros dos mais variados partidos políticos e pelo Ministério da Saúde. Parte dos produtos também está oficialmente confiscada para que seja destinada aos mais pobres que, em decorrência da crise, perderam ou perderão empregos e renda. Continue a ler O que aprender com a periferia? A luta contra o Covid-19 na Tunísia – por Thiago Grault