CRISE INFLACIONISTA EXIGE AUMENTO DE SALÁRIO E PENSÕES: POR QUE ESPERA O GOVERNO PS PARA TOMAR MEDIDAS URGENTES?

A crise inflacionista está a devorar salários e pensões na razão direta do escandaloso crescimento dos lucros dos grandes grupos económicos sob o lema: pague mais e leve menos!

A brutal invasão Russa e o prolongamento da guerra na Ucrânia, e a posição inadmissível de António Costa de pagar a reconstrução da Ucrânia e a corrida armamentista, o expansionismo da NATO e o agravamento potencial do conflito no Pacífico, estão a aumentar esta crise inflacionista e os movimentos especulativos, com o consequente aumento da pobreza e das dificuldades nas condições de vida dos trabalhadores e da generalidade do povo português. Há medidas que tardam, e já deviam ter sido assumidas, e é urgente que sejam avançadas pelo Governo para enfrentar esta situação.

A inflação está a comer o poder de compra como já não acontecia há décadas, ao atingir hoje 9,1% e que deverá chegar em dezembro a 12,2%. A inflação era passageira, dizia António Costa, mas a realidade desmente-o!

O poder de compra de hoje está pior que no tempo da troika e ao nível dos anos oitenta. A inflação aumenta e o salário não aguenta, mas há quem esteja a ganhar com a inflação!

O escândalo atinge o cúmulo quando se compara a quebra real nos salários, nas pensões e nos rendimentos da generalidade da população com os aumentos dos lucros dos grandes grupos económicos. No 1º semestre a GALP aumentou os lucros em 207%, a SONAE aumentou em 108,7% e o BCP aumentou em 505% (apenas três exemplos de muitos). Os grandes grupos económicos, em particular os da energia, grande distribuição e finança, estão a ganhar com a crise! Os lucros excessivos dos grandes grupos económicos têm de contribuir para que não sejam sempre os mesmos a pagar a crise!

O Governo do PS, enquanto impõe uma quebra nos salários reais, favorece o lado do capital. Acaba de isentar ou perdoar às empresas 729,7 milhões de Euros (50% da TSU). E com as suas “contas certas” recusa investir no Serviço Nacional de Saúde (SNS) assistindo-se à gritante crise do serviço de obstetrícia, um ataque frontal aos direitos das mulheres grávidas mais desfavorecidas que não tem poder económico de recorrer aos privados.

A situação exige medidas urgentes para combater esta vertigem inflacionista e especulativa que aumenta desgraçadamente a miséria e as dificuldades de quem vive do seu salário ou pensão. É inadmissível o atraso do Governo em tomar medidas para enfrentar esta crise. Os trabalhadores e o povo devem se unir na luta por três exigências:

– Exige-se que o Governo do PS fixe os preços dos bens essenciais, incluindo na energia, e que não haja aumento de rendas!

– Exige-se um aumento extraordinário de salários e pensões que compense a inflação!

– Exige-se que o Governo do PS lance um imposto extraordinário sobre os lucros extraordinários!

 Lisboa,15 de Agosto de 2022

Plataforma “Convergência” do Bloco de Esquerda

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.