Jean-Luc Mélenchon faz crescer a esquerda e dirige mensagem aos apoiantes

“Marine Le Pen junta ao projeto de abuso social, que compartilha com Emmanuel Macron, um perigoso fermento de exclusão étnica e religiosa”

A candidatura presidencial “União Popular” de Jean-Luc Mélenchon criou um forte polo popular à esquerda, alcançou o 3º lugar, a poucos votos de conseguir ir à segunda volta e afastar a candidata da extrema-direita. A candidatura de Mélenchon provou que a esquerda pode crescer, disputar espaço político aos liberais e à extrema-direita, sem esperar ou ficar dependente do chamado centro-esquerda e sem ter de esconder as suas bandeiras e o seu projeto de sociedade.

A candidatura apresentou à população e defendeu um programa claramente de esquerda – O Futuro em Comum – ecossocialista, competente e radical, que colocou em evidência as fraturas sociais e ecológicas em França, afirmou uma alternativa de sociedade ao capitalismo ao mesmo tempo que avançou com reivindicações e objetivos imediatos. Não hesitou na veemente condenação da guerra e da invasão da Ucrânia, e não escondeu que a submissão da União Europeia aos interesses militares dos EUA constituem, para além de uma dependência, um fator de instabilidade e de conflito no seio da Europa.

Mélenchon dirigiu, há dias, uma mensagem aos seus apoiantes, a propósito da segunda volta que terá lugar no próximo domingo, dia 24, que se reproduz na íntegra:

“Caros amigos,

Nos últimos 18 meses, vocês foram mais de 310.000 a apoiar a minha candidatura. O vosso compromisso em tempos difíceis, a vossa força na paciente ação de convencimento constituiu um ponto de apoio decisivo. Fomos capazes de alcançar 7,7 milhões votos no programa “O Futuro em Comum” [L’Avenir en Commun] e na minha candidatura. Então, o dia 11 de abril, por mais dececionante que possa ter sido, marca também o nascimento em França de um poderoso polo popular de rutura ecológica e social com o sistema dominante. Teriam sido necessários tão poucos votos adicionais para a “União Popular” ter conseguido ir à segunda volta das eleições presidenciais! A deceção é imensa. Mas não deve sobrepor-se ao orgulho pelo trabalho realizado, nem à determinação para as batalhas que virão, nem à responsabilidade de liderar esta força conseguida.

Haverá, portanto, a segunda volta da eleição presidencial. Ela ocorrerá sem que tenhamos de ter qualquer voto de adesão. Ela exclui os nossos projetos e a nossa visão de futuro. Desenrolar-se-á desafiando as nossas repulsas mais fundamentais. Uma presidência sem autoridade moral vai ser o resultado. Mas eu quero repetir. Durante a campanha, expus claramente o quanto essa oposição entre Emmanuel Macron e Marine Le Pen não esteve à altura dos problemas do país, em particular diante da emergência ecológica e social. Ambos estão frequentemente de acordo! Por exemplo, para continuar a congelar o salário mínimo, deixar que continue a especulação dos preços ou recusar o regresso à reforma aos 60 anos. Nenhum dos dois leva em consideração o recente alerta do IPCC sobre as alterações climáticas, nem as que se acumulam sobre o nuclear.

No entanto, os dois não são equivalentes. Marine Le Pen junta ao projeto de abuso social, que ela compartilha com Emmanuel Macron, um perigoso fermento de exclusão étnica e religiosa. Um povo pode ser destruído por este tipo de divisões. Todos nós sabemos que ela não tem equivalência a nenhuma das outras doenças. Admito que minha apreciação aqui é tanto moral e filosófica quanto política. Disse e repito que nem uma voz se deve concentrar na candidata de extrema-direita. Trata-se de um alerta público veemente. Mas ir além disto seria abusar da confiança que me concederam. Portanto, não darei outras “instruções”, nem a cada um de vós nem aos 7,7 milhões de eleitores de “O Futuro em Comum”. Não tenho esse mandato.

No entanto, não ficaremos sem tomar posição. Poderá expressar-se numa consulta online para dizer qual a escolha de cada um: votar em Emmanuel Macron, votar em branco ou nulo, ou abster-se. O resultado desta consulta será tornado público. Mas sejamos claros: qualquer que seja o resultado, não deve ser interpretado como instruções dadas a quem quer que seja, nem entre nós nem para aqueles que nos ouvem e confiam em nós. Indicará quais são nossas avaliações nas suas diversidades. Cada um vai concluir e votar em consciência, como entender. Peço que cada ponto de vista seja respeitado. Não vamos dar a essa dupla o ganho de nos colocar em oposição uns aos outros sobre eles, quando estamos tão fortemente unidos nos nossos projetos. Nesse sentido, a coesão da “União Popular” é o nosso bem mais querido. Neste momento somos um recurso político para o nosso país que entra no impasse moral e político dos liberais e da extrema-direita. Vamo-nos manter confiantes, ativos, mutuamente respeitoso entre nós. O nosso número é a nossa força. Esta força vai mostrar isso em breve, estou convencido disso: um outro mundo é possível. Começa com o nosso compromisso. Saudações agradecidas,

Jean-Luc Mélenchon”

Um pensamento sobre “Jean-Luc Mélenchon faz crescer a esquerda e dirige mensagem aos apoiantes

  1. Não conheço de forma muito precisa os fundamentos teóricos do partido de Mélenchon, mas esta declaração parece-me sensata sem abdicar de ser corajosa e clara em questões fundamentais. E animadora para quem pensa em europeu, como é o meu caso.
    Força França!

    nelson anjos

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.