METADE DO CÉU

por Higino Maroto

Mulher,

Mãe,

Amante,

Filha:

És a companheira que a nosso lado

 luta por um mundo melhor,

um desejo de liberdade,

de igualdade pelos mesmos direitos,

pelo mesmo respeito,

pela repartição justa da vida,

das canseiras e das fadigas.

Só tu mulher,

sabes dar aquele toque de beleza,

de sedução, de carinho, de compaixão,

de dádiva e de perdão,

por vezes tão duro,

noutras tão meigo e reconfortante.

O teu olhar é penetrante de doçura e encanto

ou de desprezo e condenação.

Nas malhas que teces,

qual Penélope à espera de um errante Ulisses.

Ou nas ações de Afrodite,

Vénus com outro nome,

atraindo os mortais.

Maia Maístas, senhora da fecundidade

que tudo gera no seu ventre materno.

Mas tu mulher,

também te ergues em ações milenares,

Foste Amazona no Daomé,

durante séculos.

Operária em Chicago,

que juntamente com o teu camarada,

lutaste pela jornada de oito horas diárias.

Foste Kollontai, Krupskaya e Stassova

na grande revolução,

que em 10 dias mudou o mundo.

Foste Rosa Luxemburgo em Berlim,

Catarina Eufémia e Rosa Morgado

em Portugal do medo e da morte.

Foste Dinalva, Helenira, Maria Lúcia …

no Araguaia de nobre gesto,

mas de luta tão desigual.

Foste as três Marias (Barreno, Costa e Horta)

e as novas cartas Portuguesas,

que tanto medo causaram

no apodrecido regime fascista

e na sua moral hipócrita.

És hoje Asia Ramazan Antan (última mártir)

e o teu regimento feminino

que nas montanhas do Curdistão

(essa pátria dividida entre turcos,

iraquianos e sírios), luta pela liberdade,

pela santa liberdade, milenarmente espezinhada

 e mil vezes conquistada,

para além dos inimigos tradicionais,

acrescentaram outro – o fascismo do Daesh.

Mas, Asia o teu exército, imensamente belo

juntando, mães, filhas, netas, avós

levanta a bandeira de toda a humanidade,

suprema razão de viver.

Mulher,

Mãe,

Amante,

Filha:

Em cada causa te encontro,

seja a mais singela ou a mais agreste e perigosa,

com o mesmo sorriso de encantamento

embalas o filho, abres um livro ou empunhas uma arma.

HM

11/09/2016

in “Longos Caminhos”

Pintura de Sílvia Carreira, “O Espartilho – 2005”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.