As listas abertas fazem caminho! *

Por estes dias, vão ser eleitos os órgãos internos da coligação de Esquerda ‘Barcelona em Comum’ pelo método de lista aberta, num claro exemplo de que é possível aprofundar a democracia participativa no seio dos movimentos e partidos políticos.

Não é demais relembrar que a coligação ‘Barcelona em Comum’, formada pelos partidos políticos ICV, EUiA, Procés Constituent, Podemos e Equo, foi vencedora das eleições autárquicas de Barcelona em 2015 e 2019, mantendo-se atualmente em funções. Na campanha de 2019, teve entre os subscritores Noam Chomsky, Tariq Ali, Jean-Luc Mélenchon, Francisco Louçã, Emir Sader ou Slavoj Zizek.

Uma das bandeiras desta coligação foi, e é, o aprofundamento da democracia, seja na necessidade de transformar e democratizar radicalmente as instituições. seja na forma de organização da comunidade, seja ainda na forma de gerir os processos de decisão internos. A defesa da democracia participativa para a coligação ‘Barcelona em Comum’, feita por fora e por dentro, é através da prática.

Colau reclamará una consulta sobre la candidatura olímpica  Pirineos-Barcelona
Ada ColauBarcelona En Comú

No Bloco de Esquerda têm sido vários os aderentes que se têm levantado pela defesa do método de lista aberta nos processos de eleições internas. Exemplo disso foi a proposta apresentada de escolher as listas candidatas à Assembleia da República, candidatos/as e sua ordenação, através de lista aberta. Certo que esta proposta, submetida enquanto proposta de alteração aos Estatutos, já tinha sido apresentada e recusada na XII Convenção Nacional.

A partilha e a cooperação entre todos/as, independentemente da sua sensibilidade ou tendência, tem de ser a base de um projeto político comum, e neste quadro as listas abertas, permitiriam a participação livre de todos e todas, na proposta e nas escolhas internas, aumentando a mobilização e participação democrática no interior do partido/movimento.

A prevalência do método de lista fechada, restringindo a participação ou asfixiando a escolha entre listas alternativas (blindadas), fomenta a divisão do partido, promovendo decisões dicotómicas que aprofundam as perspetivas de controlo hegemónico, tendentes à implementação de uma gestão centralista.

Ada Colau, no seu primeiro discurso de vitória dizia: “Demonstrámos que existe outra forma de fazer política. E não tivemos o caminho facilitado. Difamaram-nos, atacaram-nos, mas com esperança, com vontade, mostrámos que Sim, podemos”. Por cá não vamos desistir, porque ainda há quem acredite que “Sim, podemos”.

* Bruno Candeias

image

2 pensamentos sobre “As listas abertas fazem caminho! *

  1. Boa noite Camarada

    Desculpe, mas estamos em Portugal, onde a opinião de não acordo, não quer dizer discussão, diz se não és por mim, és contra mim, por isso és expulso das decisões

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.