A aliança do mercado *

Trump perdeu as eleições, não se reelegendo para a presidência dos E.U.A.. Mas a sua influência permanece interna e externamente, assim como as consequências políticas de um projeto neofascista ter passado pela Casa Branca. A ascensão de Trump e sua agenda deu alento e referência a partidos e movimentos neofascistas pelo mundo inteiro, deslocando a política mundial para a direita. A agenda conservadora avança com mais ou menos celeridade de acordo com as realidades nacionais, mas o ultraliberalismo consolida-se de forma rápida, global, uniforme e inquestionável.

Os exemplos de subducção do Estado aos interesses do mercado sucedem-se, da saúde pública à energia, da diplomacia à liberdade de expressão. Seria apenas mais um passo do desenvolvimento capitalista não fosse o quadro pandémico. Neste cenário a gestão feita pelo mercado é sinónimo de milhões de mortes.

Surgiu há dias a notícia que já se aguardava: o Knightsbridge Club,  um clube de elite de Londres em que a quota anual ronda a quantia de 25 mil libras (cerca de 28 mil euros), promove viagens de férias para os Emirados Árabes Unidos para vacinação dos seus membros. O turismo de vacinação tinha nascido. O tema rendeu as maiores críticas a nível mundial e 2 mil novos membros ao clube londrino em 24 horas.

Além da excentricidade desumana que a matéria aborda, a evidência é que o mercado decide cada vez mais na sociedade. Até em matérias de vida e morte aparece como o único dirigente e, também, beneficiário.

De forma generalizada, governos e organismos supranacionais deixam as corporações ditar as regras da sua participação no combate ao covid-19, da produção e distribuição das vacinas, submetendo as políticas de saúde pública aos interesses lucrativos dessas organizações.

As medidas de exceção são adotadas para toda a população, criando fortes constrangimentos nas liberdades individuais e coletivas. Toda a economia e sociedade sofre forte contração com a pandemia menos as corporações, que apenas aumentam a sua riqueza. Em vez de requisições de hospitais privados para internamento e tratamento de doentes, são firmados negócios bilionários. Obrigando a economia dos estados a um esforço que vai faltando para apoiar famílias e pequenos negócios no cumprimento de quarentenas sérias que contenham a pandemia. Em vez dos estados apoiarem a quebra de patentes, facilitando a produção genérica da vacina (o que aumentaria o número de vacinas disponíveis e baixaria os preços), os países das potências famacêuticas e seus estados lacaios defendem a permanência das patentes na O.M.S.. 

Os Estados tornaram-se reféns dos planos comerciais dos laboratórios. Os planos de vacinação apresentados pelos governos são propositadamente descomprometidos com os números de vacinados, não permitindo a população divisar e monitorar metas claras na vacinação. No caso português, sem que o plano de vacinação assuma quaisquer datas quanto à vacinação concreta da população, António Costa projeta publicamente as metas da U.E., cerca de 70% da população vacinada até ao verão. Com os interesses dos laboratórios a sobreporem-se a tudo e todos, cá estaremos para cobrar do 1º ministro português o cumprimento dessa meta.

As corporações decidem quanto vender e a quem vender primeiro, sempre orientadas pelo lucro; esta gestão está a criar um quadro de vacinação a várias velocidades, entre países ricos e pobres, entre populações ricas e pobres.

Toda a desarticulação existente, devida aos diversos interesses de lucro em jogo, só atrasa o processo de vacinação e condena à morte milhões de pessoas. O atraso pode ser tanto que quando a grande maioria das populações tiverem acesso à vacina, novas variantes do vírus devem já ter aparecido e podem até já ser resistentes às vacinas existentes. Para os laboratórios é ótimo negócio, novas vacinas váo ser produzidas e comercializadas.

Temos o sinal de como o mundo se rendeu ao neoliberalismo, deixando nas mãos dos bancos decisões já desafiantes se tomadas por estados nesta crise sanitária. O mercado não está equipado para lidar com estas questões. Se conseguir controlar o covid-19 será com um custo de milhões de vidas a mais do que se fossem os estados a organizar economica e sanitariamente a sociedade.

Imaginemos como será o mercado a gerir a crise ambiental, o maior e mais determinante problema a resolver, com o risco da extinção de quase toda a vida no planeta.

É óbvio que o negacionismo institucional de alguns governos, como o de Bolsonaro no Brasil, tem influência direta na morte de pessoas, mas é a gestão feita pelo mercado global o fator determinante na quantidade astronómica de vítimas da pandemia. A falta de investimento nos serviços nacionais de saúde pública por parte dos estados e o processo de produção e distribuição da vacina refém dos grandes laboratórios privados vai deixando um rasto mórbido, de uma epidemia que poderia ter sido enfrentada de forma a preservar a vida humana.  Só assim se explica que o número de mortos por milhão de habitantes no Brasil já é inferior que em Portugal* e outros países europeus.

A existência da extrema direita vai permitindo a política se encostar a agendas conservadoras, tornando o ultraliberalismo reinante, constituindo uma aliança de mercado. A esquerda não tem mostrado capacidade de apresentar uma proposta económica alternativa que mobilize a população em busca de justiça ecosocial. Só um confronto direto com a economia ultraliberal pode disputar maiorias sociais que questionem este modelo desigual, indo também à base da extrema direita, que floresce no descontentamento dos excluídos da economia.

Bolsonaro é considerado genocida por grande parte da população no Brasil. E nos outros países não é genocídio?

* Rui Abreu

* Número de óbitos por 1mi/hab Portugal – 1446 (em 11.02.2021)

* Número de óbitos por 1mi/hab Brasil – 1101 (em 11.02.2021)

Um pensamento sobre “A aliança do mercado *

  1. Bom Rui, seu artigo é muito precisa, vem jogar luz sobre as entranhas dessa pandemia que passa desapercebido pela mídia corporativa e também pela mídia alternativa, na sua grande parte das publicações. Parabéns. Forte abraço.

    Gostar

Deixe uma Resposta para Alzerino José de Souza Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.